Discografia

Letras

1 – Comunidade Natural

(Tema & Música: Germano Gladstone)

Sigo cantando nesse mundo alegre,
tenho a energia que vem dos pulmões.
Meus pneus Good Year são meus pés,
com eles chego ao Mercado Central.

Não como carne, enlatados, nem discuto futebol,
passeio à tarde com meus cachorros pardos.
À noite aquele papo e nada de TV,
vou nessa onda da Comunidade Natural…

Comunidade Natural…
Aqui sento o bumbum no meio-fio,
esquento sol, tomo banho de lua,
eu e as estrelas cada um na sua!

Vivo na minha casa verde e com varal,
sou o jardineiro, tenho cedros e videiras.
Flores e morangos no quintal, água de coco,
sou boneco de Olinda quando chega o carnaval…

Não me ligo com o apê lá da cidade,
nem com a tal dessa saudade.
Aqui é essa zorra genial! Está tudo muito certo!
- Isso é que é Comunidade Natural!

Comunidade Natural…
Aqui sento o bumbum no meio fio,
esquento sol, tomo banho de lua,
eu e as estrelas cada um na sua!

Mano Gladstone (Voz/Violão Base)
Dicinho de Castro (Violão Solo /Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria/Percussão)
Vanutti Macedo (Guitarra Steel/Flauta/Marimba/Castanholas)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Fabiano Menezes (Violoncelo)
Beto Hortis (Acordeon)
Nil Gtr (Bandolim)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

2 – Esse Trem

(Tema & Música: Germano Gladstone)
(Com estrofe incidental em pout-porri. Inspiradoa numa canção gravada nos anos 60 pela The Monks e The Sunshine)

Vem chegando a Maria Fumaça do sertão,
vai queimando a massa da lenha.
Estou avisando que o trem já está apitando,
quem quiser viajar apresente a senha na estação!

“Esse trem que para minha terra agora vai partir,
é o último da linha que pra lá irá seguir.
E dentro dele tenho que estar,
e eu morro se esse trem eu não pegar”.

Esse trem já vem chegando, é nele que eu vou viajar,
cospe fogo na fornalha e sei que não quer mais parar.
Vou nesse trem, quero chegar,
se eu não for dentro dele eu vou chorar.

Lá na minha terra só não é feliz quem nxão quiser,
canta seu Zé Marcolino, toca meu Mané Café.
Vou nesse trem, quero chegar,
se eu não for dentro dele eu vou chorar.

Vem chegando a Maria Fumaça do sertão,
vai queimando a massa da lenha.
Estou avisando que o trem já está apitando,
quem quiser viajar apresente a senha na estação!…

Mano Gladstone (Voz/Violão Base)
Dicinho de Castro (Violão Base/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria/Gongo)
Vanutti Macedo (Guitarra Base/Efeitos)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Beto Hortis (Acordeon)
Guto Santana (Gaita)

3 – Um Blues Para Joe

(Tema e Música: Germano Gladstone )

Com a voz de anjo
ele contava sua história,
também cantava canções
que eu não sabia.

Dormia na calçada
da bolsa de valores,
na grande depressão
em Nova York.

Joe, sentado chorava,
falava dos amores,
nos sábados á tarde
em frente à bookstore

Fotografias preto e branco
eram provas do seu tempo,
sua voz compassada,
na sua mão um lenço.

Uma bola de soprar
ele dava de presente,
com um coração desenhado
você vai guardar pra sempre.

Joe, sentado chorava
falava dos amores,
nos sábados à tarde
em frente a bookstore.

Mano Gladstone (Voz/Violão Base)
Dicinho de Castro (Guitarra Solo/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo (Violão Solo/Guitarra Steel/Órgão)
Dadá Malheiros (Violino)
Fabiano Menezes (Violoncelo)
Guto Santana (Gaita)

4 – Tralhas & Trelas

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Tralhas & Trelas é o nome do meu cão,
se você chama de outro nome ela não gosta não!
Tralhas & Trelas tem na ponta do nariz um carrapato grudado,
a marca registrada dela e na barriga da cadela
tem um rabuginho danado.

Tralhas & Trelas… Tralhas & Trelas…

Foi o doutor do Animania
que um dia passeando na calçada achou Trelas num papelão.
Com outras crias e alegrias levou todas para o Animania,
e foi aquela algazarra
quando todos viram a safadeza do meu cão!

Tralhas & Trelas… Tralhas & Trelas…

Tralhas & Trelas hoje vive numa boa,
parece uma pessoa, come faticos de pão.
Tem seus brinquedos, bocados de molambos rolando pelo chão,
o seu olhar 45 nem os pais que são pirados,
não agüentam não!!…

Tralhas & Trelas!!! Tralhas & Trelas!!!
Vou preparar você pra ser o novo campeão…

Mano Gladstone (Voz/Violão Base)
Dicinho de Castro (Violão Base/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo (Guitarra Base/Piano)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Guto Santana (Gaita)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

5 – Coração Americano

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Meu coração é um país
onde você pode morar.
A liberdade dentro dele
é como um passarinho no ar.

A minha lei é um canto alegre e triste
e tudo isso é o que sei cantar.
Mas você sabe muito bem que existe
em minha alma “soul”, o som da América.

Essa guitarra velha veste calças Lee,
como a viola enluarada está.
Eu que sou louco, fico por aqui,
sentindo o faro do maracajá.
Eu tenho pouco tempo pra seguir,
mirando as brancas noites de luar.

Mano Gladstone (Voz/Violão Base/Dedilhado)
Dicinho de Castro (Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo (Violão Base/Dedilhado/Guitarra Solo/Efeitos)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Fabiano Menezes (Violoncelo)
Beto Hortis (Acordeon)
Nil Gtr (Bandolim)
Guto Santana (Gaita)

6 – São Vicente

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Do outro lado do mar tem um povoado,
que lhe deram o nome de São Vicente.
É lá que ela mora simplesmente,
é lá que a gente aspira o ar da montanha.

Carneiros e éguas vão pelos campos,
um passarinho anuncia…
Os ventos sopram lá das colinas
e estão avisando o nascer do dia.

Na entrada da cidade
tem uma cruz de cristal.
No cercado tem um boi bravo
solto no capinzal.

Na estrada do cemitério
tem uma casa mal assombrada.
Onde a caipora de noite
vem fazer a sua morada.

No Grupo Escolar Presidente Vargas,
tem um menino travesso.
Só vai todo dia pra aula
com a calça pelo avesso.

Em São Vicente que eu saiba,
não tem nenhum general.
Mas tem uma roseira
com quatro rosas de metal.

Mano Gladstone (Voz/Guitarra Base)
Dicinho de Castro (Violão Base/Guitarra Solo/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Sérgio Ferraz (Violino)
Sebastian Poch (Violoncelo)
Vanutti Macedo (Guitarra Base/Steel/Piano/Órgão)
Beto Hortis (Acordeon)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

7 – Nascido Livre

(Tema e Música: Germano Gladstone)

No lugarejo atrás os montes
havia verdes bosques de manhã.
De frente lá de casa um vasto campo,
mamãe criava galinhas no quintal,
eu andava pés descalços.

No lugarejo tudo mudou,
os verdes bosques se esconderam…
Ah! Eu nem vi por onde,
a gente nasce e cresce.
Agora é ter cuidado, a estrada é longa,
a rosa é mais difícil.
O incrível e furioso míssil
não é meu irmão.

Eu naquele tempo nascido livre,
olhando bem para as cores dos telhados.
Hoje ruínas de fábricas e de casas,
as chaminés mudaram a cor do céu,
a cor do céu!…

Mano Gladstone (Voz/Guitarra Solo -Introdução)
Dicinho de Castro (Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo (Guitarra Solo/Piano)
Sérgio Ferraz (Violino)
Sebastian Poch (Violoncelo)
Guto Santana (Gaita)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

8 – Será Que Você Escapará Ileso?

(Tema & Música: Germano Gladstone)

Você vai querer gozar nos beijos,
não vai jogar fora esses seus desejos,
à noite amar nesses vilarejos,
no seio das projeções dos ventos…

Será que você escapará ileso?
Não se entregará à todos os assédios?
Não se enrroscará nos planetas médios?
No meio das progressões dos tempos?…

Pois nas incertezas das manhãs e das marés,
diante das feridas das florestas e igarapés,
apesar que tudo isso exista e aconteça aos nossos pés,
só nos restará cantar, cantar, cantar…

Se for preciso entrar nos eixos,
mudar os caminhos, outros conceitos,
não vá se esconder nos seixos das pedras,
imunes às possessões dos ventos…

Você vai então pensar em versos,
não suportará todos os excessos,
nem vai poder fugir dos incertos
rolantes asteróides nas rotações dos tempos.

Pois nas incertezas das manhãs e das marés,
diante das feridas das florestas e igarapés,
apesar que tudo isso exista e aconteça aos nossos pés,
só nos restará cantar, cantar, cantar…

Mano Gladstone (Voz/Violão Base)
Dicinho de Castro (Violão Base/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria/Gongo)
Vanutti Macedo (Guitarra Solo/Piano/Efeitos)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Fabiano Menezes (Violoncelo)
Nil Gtr (Bandolim)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

9 – O Porquinho do Zoológico

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Domingo que vem eu vou comprar pipocas
e dar na boca do porquinho do zoológico.
Quando eu regar a cajazeira do botânico
uma bela criança vai dizer: Ah! Isso é muito lógico!

Domingo que vem eu vou abrir o código
e sei que nele hei de encontrar as falhas.
Será provado então que essa província
a cada dia está jogada às malhas.

Domingo que vem vou convidar a turma
que não se curva à essa farra brasileira.
Minha mulher há de me beijar a face
na noite nua, o céu cheio de estrelas.

Mas ora vejam só vocês! Eu nessa noite
afugentando o medo dos espíritos.
O ócio, o riso, a rua, o gás neon,
o neoplasma nato dos mendigos.

Domingo que vem eu vou é comprar pipocas
pois tudo indica isso é bem mais sólido.
Pra que o porquinho possa encher a pança,
pra que amanhã eu possa ler o código.

Mano Gladstone (Voz)
Dicinho de Castro (Guitarra Solo/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo (Guitarra Solo/Piano)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Sérgio Ferraz (Violino)
Félix Swamy (Violoncelo)
Guto Santana (Gaita)
Yko Brasil (Saxofone)

10 – Ontem de Manhã

(Tema: Germano Gladstone & Dicinho de Castro)
(Música: Germano Gladstone)

Ontem foi um dia
de tanta alegria,
violas e guitarras
em toda harmonia.

Ontem foi um dia
que era fantasia,
horas de farras,
repentes e poesia.

Ontem foi um dia
todo em sintonia,
trovas e versos,
sonhos e magia.

Ontem foi um dia
desses dias bons,
sons de passarinhos
cantando nossos tons.

Ah! Que belo som!
Que lindos violões!
Que embalo ontem
de manhã…

Mano Gladstone (Voz/Violão Dedilhado)
Dicinho de Castro (Guitarra Solo/Contrabaixo)
Bateria (Fernandinho Lopes)
Vanutti Macedo (Violão Dedilhado/Órgão)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Sérgio Ferraz (Violino)
Fabiano Menezes (Violoncelo)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

11 – Última Balada

(Tema & Música: Alexandre Sousa)

E se foi…
e nem olhou pra trás
e nem olhou pra mim
e se foi…
ela foi tão dura assim.

Eu fiquei…
perdido nessa tarde triste sem ninguém,
de boreste no Recife Antigo
vagando pelo Marco Zero até o sol morrer.

Sei que ela não vai voltar pra me fazer sorrir,
outro dia vai nascer e ela não está aqui,
tantos sonhos nem falei, mas eram pra nós dois,
hoje só resta a certeza de que ela se foi.

Ela se foi…

Mano Gladstone (Voz/Violão Base/Dedilhado)
Dicinho de Castro (Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo (Violão Base/Guitarra Solo)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Fabiano Menezes (Violoncelo)
Beto Hortis (Acordeon)
Yko Brasil (Saxofone)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

12 – You’ve Got To Hide Your Love Away

(John Lennon & Paul McCartney)

Here I stand with head in hand
turn my face to the wall
If she’s gone I can’t go on
feeling two feet small

Everywhere people stare
each and every day
I can see them laugh at me
and I hear them say

Hey, you’ve got to hide your love away
Hey, you’ve got to hide your love away

How can I even try?
I can never win
Hearing them, seeing them
in the state I’m in

How could she say to me
love will find a way?
Gather round all your clowns,
let me hear you say

Hey, you’ve got to hide your love away
Hey, you’ve got to hide your love away

Mano Gladstone (Voz/Violão Base)
Dicinho de Castro (Violão Base/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo (Guitarra Solo/Piano)
Dadá Malheiros (Rabeca)
Sérgio Ferraz (Violino)
Fabiano Menezes (Violoncelo)
Cláudia Beija (Vocal)
Kelly Oliveira (Vocal)

13 – Colhendo Morangos

(Tema/ Melodia Base/ Harmonia Musical/Arranjo Contrabaixo: Germano Gladstone)
(Música: Germano Gladstone/Vanutti Macedo/ Dadá Malheiros)

Mano Gladstone (Violão Solo/Base)
Dicinho de Castro (Violão Base/Contrabaixo)
Fernandinho Lopes (Bateria)
Vanutti Macedo ( Guitarra Solo/Efeitos)
Dadá Malheiros ( Rabeca)
Sérgio Ferraz (Violino)
Guto Santana (Gaita)

Músicas

Letras

1 – Juriti das Bahamas

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Juriti, jura, Juriti, jura…
Jura que ela não vai me deixar.
Juriti, jura, Juriti, jura…
Jura que ela não vai me deixar.

Juriti das Bahamas
um certo dia voou do quintal.
Juriti das Bahamas
agora canta lá em Portugal..

Só não quero as tuas asas
que te levam pelo céu,
asas feitas pra voar..

Quero só que não te esqueças
de trazer de Portugal,
um bom vinho que seja doce
como as frutas do quintal.

2 – Morena das Águas Belas

(Tema: Germano Gladstone & Luciana Japiassú)
(Música: Germano Gladstone)

Ela veio com ar sereno
bonita como uma flor,
morena das Águas Belas,
Águas Belas do amor.

Sua febre em minha boca
pelo corpo se deitou,
no ventre da madrugada
seu veneno me secou.

E foi muito leve o vento,
e foi muito breve o tempo,
dessa madrugada adentro
com o cheiro do nosso amor,
dessa madrugada adentro
das belas águas do amor.

3 – Saudade de Serrote Agudo

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Julinha nasceu no pé do serrote,
lá no pé do serrote tinha tudo,
Julinha foi crescendo no pagode,
no pagode do “Serrote Agudo”.

Ái que saudade dessa minha terra eu sinto,
quando me lembro até meu semblante mudo,
por ela eu mato, eu morro, eu mêto, eu minto,
quanta saudade desse meu “Serrote Agudo”.

Vou lá! Ver como é que é
a tez da morena Terra,
que Terra morena é!

Julinha era a moça mais bonita
que havia no sertão da minha terra,
por isso vez em quando eu canto isso tudo,
é a saudade desse meu “Serrote Agudo”.

Ái que saudade dessa minha terra eu sinto,
quando me lembro até meu semblante mudo,
por ela eu mato, eu morro, eu mêto, eu minto,
quanta saudade desse meu “Serrote Agudo”.

Vou lá! Ver como é que é
a tez da morena Terra,
que Terra morena é!

Recife/PE/Fev./1977.

4 – Forró de Rita Bengo

(Tema: Germano Gladstone & Ozires Diniz)
(Música: Rogério Gutemberg)

No forró de Rita Bengo tem um lengo-tengo,
sendo que no lengo-tengo o tengo-lengo vai,
tá me dando um mamulengo quando o tengo-lengo sái,
nesse tá de lengo-tengo mamulengo tengo cái.

Ái, ái, ái, ái…

Na secura dessa dança ninguém esmorece,
como o nego fica em pé, lá isso eu não sei,
quando sobe o tengo-lengo o xengo-tengo-lengo desce,
Deus que livre a minha cara que eu nunca apanhei.

Êi, êi, êi, êi…

Nem lhe conto a vergonha que passou meu pai,
numa noite de pagode em que eu não fui,
o veinho apanhou tanto quase a tripa sái,
e o gemido da sanfona era ái e úi e úi.

Ái, ái, ui, ui…

5 – Mané Café

(Tema: Germano Gladstone)
(Música: Germano Gladstone & Rogério Gutemberg)

Homem da cor de carvão
de olhar diferente
e dentes da cor do luar.
Morava numa cabana,
bacana, sei lá,
à beira do Rio do Meio
lá de São Tomé da Serra
Oh! Como era lindo Mane Café.

Ele era filho de índio
da tribo Cariri,
vivia acordando
no meio da noite,
prá ver o rosto da lua
no pôço do Rio do Meio
lá de São Tomé da Serra.
Oh! Como era lindo Mane Café.

Coitado do homem
que vivia lá no sertão
no dia da enchente do riachão.
Seu corpo veio boiando,
toda gente viu,
sobre as águas turvas
do Rio do Meio
lá de São Tomé da Serra.
Oh! Como era lindo Mane Café.

6 – Festa do Congo

(Tema: Esaú Catão & Germano Gladstone)
(Música: Germano Gladstone)

Vai-se o tempo em que tudo é sem limites,
forró de bate-coxa que nos “ovo” dói,
festas, mulheres, Johnnie, Dire Straits,
sol nascendo ao som de Pink Floid.

Vai-se o tempo de farras atrás de você,
bebendo Brahma, você raspando em nós,
arranhando homem acostumado no maior rulê,
festa do Congo, todas belas, nuas e sós.

As quengas do Congo não usam congas,
as quengas do Congo não usam tangas,
não usam blusas e nem miçangas,
quando se olham abusam no samba…

As quengas do Congo não usam congas,
as quengas do Congo não usam tangas,
quengas avulsas e sem mirongas,
quando se molham lambuzam no samba…

7 – Pillar

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Eu amo um anjo desengonçado
que se chama Pillar.
Eu já comprei um rancho alegre
prá nós dois morar,
que fica num riacho encantado
que passa por lá.

Meu Deus! Que vida tão bem vivida
agora eu vou encontrar.
Depois de longas noites de inverno
ela vai esperar,
um filho de pequeno tamanho
que eu hei de beijar.

8 – SW-77, O Amarelinho Ônibus Escolar

(Tema & Música: Germano Gladstone)

Há uma bola de fogo no céu.
- É o sol em brasa…
Há uma bola de fogo no céu.
- É o sol em brasa…

Nesse pedaço da Terra,
você pode acreditar
como é bom pegar o SW,
esse amarelinho ônibus escolar,
braços abertos na América.

Lá vem o SW 77,
vem do noroeste, vem pra o sudoeste,
é nele que vai um jovem coração
aprender inglês na Sunset.

Lá vem o SW 77,
vou voltar ao tempo, ser um estudante,
bolsa à tiracolo, cadernos e livros,
cheiro bom da manhã próximo à Sunset.

A América está raiando agora,
são 07:00 horas, gente nova,
carros passam em massa.
A América está sempre à frente,
é uma pena se a outra foge em sua mente.

9 – Tropa 99

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Qualquer dia as baionetas estarão guardadas no baú,
a banda marcial tocará sua única alvorada,
a tropa de choque certamente se dissolverá,
do quartel o último soldado debandará.

Alí será dada a ordem para um outro tempo
a uma nova tropa, a Tropa 99,
que sobreviverá pós um fulminante ráio
e pelo fato do seu comandante não montar um cavalo báio.

Nesse dia homens livres andarão alegres pela rua,
eu, você, nessa doce ilusão, nas noites de lua,
cavalgando na cidade nua e crua, na “Mauricéia Desvairada”,
descascada, desfedorentizada e toda sua…

10 – Balada do Curió,

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Lá na mata tinha um curió,
que cantava, que cantava só,
uma balada triste de amor,
nos sete dias de sol.

Uma balada assim como tantas,
que hoje se ouve de ponta à ponta,
nos quatro buracos desse país,
como no tempo do ronca.

11 – Não se Desespere Amigo!

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Quando você estiver triste e sòzinho,
seus olhos não mais enxergarem o horizonte,
não se desespere amigo!
Amanhã o sol baterá à sua porta,
você novamente comandará a tropa.

Quando seus passos se cansarem do caminho,
pare um pouco à beira dessa estrada,
não se desespere amigo!
Logo depois você continuará a rota,
e chegará certamente à sua casa.

Quando você estiver cansado na sua toca,
sua jovem cabeça não mais atinar,
não se desespere amigo!
Você estará mais perto de Deus,
seus olhos então ficarão mais abertos.

E a canção que eu canto agora,
soará nos caminhos certos.

12 – Eu Vou Deixar Você Entrar no Rock / Estourando o Balão do Improviso

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Como é que você vai passando?
Como é que vai seu violão? Bom?
Como você vai caminhando?
Como é que vai seu coração?

Seu coração vai machucado?
Como é que vai o seu amor? Bem?
O seu amor é como a chuva
que vai molhar o Olho D’Água do Juá.
A flor do meu maracujá não vai murchar,
vai como Deus quer.

Eu vou deixar você entrar no rock.
No rock lá do meu sertão…
Eu vou deixar você entrar no rock.
No rock lá do meu sertão…

Estourando o Balão do Improviso

(Tema Decassílabo: Ozires Diniz / Tema refrão: Germano Gladstone)
(Música: Germano Gladstone)

Quando eu canto eu esporo o meu juízo,
eu estouro o balão do improviso,
cantador muito velho até duvida,
trovador muito novo se intimida.
Violeiro abre a boca e não canta,
o doente aleijado se levanta,
quem não ouve começa a escutar.
Quem não dança começa a dançar,
tudo isso sucede sem parar,
quando eu pego a viola pra cantar.

Eu vou deixar você entrar no rock…
No rock lá do meu sertão…

E o vento dá voltas e campeia,
o verde da mata se incendeia,
o rio começa a voltear,
e o tempo já perde o seu contar.
A criança vai ganhando tino,
o velho voltando a ser menino,
e o poltro deixando de correr.
O sol já se põe ao anoitecer,
quem calou tem vontade de dizer,
quem morreu tem saudades de viver.

Eu vou deixar você entrar no rock…
No rock lá do meu sertão…

E o poeta dá volta, volta e meia,
o seu tirocínio até tonteia,
a cabeça lhe dói, se embriaga,
o peso do medo lhe esmaga.
O que eu digo lhe dói como espada,
a bruxa num instante vira fada,
o leão perde a fúria do momento.
Com o que estava no meu esquecimento,
faço um mar violeta de cimento,
da rosa, do mel, do pensamento.

Eu vou deixar você entrar no rock…
No rock lá do meu sertão…

Músicas

Letras

1 – Conversa de Beira de Estrada

(Tema : Ozires Diniz)
(Música: Ozires Diniz & Carlos Mendes)

Bem que diz Zefa Mulata,
dor de só machuca e mata
de sofrença o coração.

Bem que diz Mané Menino,
nunca há bater de sino
sem ter morte no sertão.

Da conversa na estrada,
das certezas acertadas
eu tirei minha lição.

Bem que diz o Nêgo Juca,
quem se assenta na garupa
não manda na direção.

Eu vou calar meu violão,
ninguém quer escutar
um cabra do sertão.

Eu vou calar meu violão…

2- Julho de 52

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Naquele tempo,
meu velho tinha o primeiro Chevrolet
que apareceu na região:
No Olho D’água do Juá!
Lá em Riacho dos Cavalos!

Era um Chevrolet bonito,
todo pintado de preto.
Quando ele aparecia na rua,
o povo assoviava, grivava e dizia:
Olha o bicho do zóio de fogo!

Lá no pé da serra tem uma fonte,
a água clara de onde vem?
Ninguém sabe não. .
Ah! Sei que vai pelo algodoal
que o avô plantou em julho de 52.

Lá se pode ver além do cerrado,
cabras, cavalos, juntos o gado.
Ah! Você diz é o curral
que o avô cercou em julho de 52.

Lá se pode ver um céu estrelado,
debaixo desse céu há um roçado.
Ah! Tem feijão de água e sal
que o avô plantou em julho de 52.

3 – Um Passeio Pela Kendall Drive

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Passeando pela Kendall Drive
em boa companhia até a Turnpike,
mirando placas, avenidas, streets,
na exata dimensão do quadrante sudoeste,
um coração mais alegre não existe
americanamente cruzando a 107.

São Cadillacks, Limusines, GMCs.,
vitrines do Pay Less, Sawgrass, Best Buy,
Bulevares, Bay Side, Key Biscayne,
dá vontade de estar sempre com vocês,
o coração disparando I love you baby
americanamente cruzando a 83.

Aprenda como se dizer hasta luego,
muchas gracias amigo!, thank you,
aqui se habla casi todas las palabras,
vou voltar nas asas de um Mirage,
o coração novamente em disparadas
americanamente pela Kendall Drive.

4 – O Contratorpedeiro

(Tema: Germano Gladstone & Marcelo Montenegro)
(Música: Germano Gladstone)

No fundo do casco
do contratorpedeiro,
tem um torpedo guardado
prá seu coração.
Será lançado
num pôr-do-sol
de qualquer verão.

Nesse pôr-do-sol
uma criança negra.
Ah! O bêbado poeta
nega o que falou:
- Uma crianca é que existe.
- O negro pôr-do-sol, não!
- É muito triste!

O contratorpedeiro
segue em frente
nessa maré morta,
viaja como um cão vadio
nessa maré torta.

No fundo do seu casco,
o contratorpedeiro tem guardado
prá essa maré porca,
um torpedo preso na garganta
de Garcia Lorca.

Será lançado
num portal, cartão-postal
ou atrás da porta,
num pôr-do-sol
de qualquer verão.

5 – Quatro Cascos

(Tema: Marcelo Montenegro & Germano Gladstone & Ivan Morais)
(Música: Marcelo Montenegro & Germano Gladstone)

Quatro cascos, violão bagaço,
é miragem de história para se contar.
Estrada, noite enluarada,
na garupa a namorada pra me consolar.

Poeta só por desafio do destino,
tenho três filhos prá poder criar.
Sou forte e fraco por viola,
pois a morte não tem hora, não vai me esperar.

Ah! Morena que eu conhecí nas águas do Angelim,
quando te vejo afogo minhas mágoas morena!
E faço bêro…bêro…bom…bom…

6 – Julieta Pillar

(Tema: Germano Gladstone & Marcelo Montenegro)
(Música: Germano Gladstone )

Eu conheci um pai,
com uma criança brincava
no amanhecer de um belo dia.
Era esse pai que dizia:
nesse dia ia ser outro homem.
Todo homem um dia tem seu nome,
todo nome um dia o seu lugar.

Julieta Pillar… Julieta Pillar…

Nesse dia eles estarão chegando
cuspindo fogo pelas suas bocas.
Nós então teremos que amar os pássaros
e andar na rua como duas loucas.

Não adianta pôr na mesa
pratos de ágata e de porcelana.
Pra se beber o vinho das estrelas,
precisa apenas você me chamar:

Julieta Pillar… Julieta Pillar…

7 – O Bar de Tereza

(Tema: Carlos Fernando)
(Música: Germano Gladstone)

Na esquina da Rua Carlos Falcão
da cabocla Ipanema,
mergulhado no tempo
se foi o Bar de Tereza,
pedaço de todos nós.

Tereza do ventre da África,
do cio da África,
da fome da África,
da pele escura turqueza-azulada,
dos mares da África,
de todos os deuses e orixás.

Onde pousará seu novo Bar?
Quero ser o primeiro a chegar
num vôo razante,
cercado de borboletas azuis,
em uma manhã plural e gentil
de brisa leve cheirando a jasmim.

8 – Tema de Jéssica

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Quando acendo meu cigarro eu fico muito bem,
eu vejo a lua atrás do “Holliday”.
Não me importa o que pensam os insensatos,
uando acendo meu cigarro,
você é um anjo na sua lucidez.

Jéssica… Jéssica…

Quando estou com você eu sou o rei,
seus passos naturais sobre o assoalho.
No atalho da vida apenas sei,
do seu lado não terá nenhum policial,
pra guardar o nome dessa capital.

Jéssica… Jéssica…

Quando você fôr essa garota,
seus vinte anos nos anos 2000,
estaremos passeando pelo céu,
olhando o mesmo Brasil.

Jéssica… Jéssica…

9 – Brasília Pobre Ilha!

(Tema e Música: Germano Gladstone)

Brasília é onde os membros
mais benquistos da família,
tem as mais nobres mobílias.

Brasília é onde há mais
cobres, safiras e quadrilhas
e as mais belas filhas.

Brasília é onde
as belas filhas sempre têm,
e são elas as que mais brilham.

Brasília é onde
essas estrelas cintilam
em péssimas trilhas.

Brasília pobre terra
de Marília Maravilha,
Brasília pobre ilha!

10 – Asa Branca

(Humberto Teixeira & Luiz Gonzaga)

Quando olhei a terra ardendo,
qual fogueira de São João,
eu perguntei a Deus do céu
porque tamanha judiação.

Que braseiro que fornalha,
nem um pé de plantação,
por falta d’água perdi meu gado,
morreu de sede meu alazão.

Até mesmo a asa branca
bateu asas do sertão,
então eu disse adeus Rosinha,
guarda contigo meu coração.

Hoje longe muitas léguas,
nessa triste solidão,
espero a chuva cair de novo
pra mim voltar pra meu sertão.

Quando o verde dos teus olhos
se espalhar na plantação,
eu te asseguro não chore não viu,
eu voltarei viu meu coração.

Músicas